Pesquisar neste blog

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Eu, Alberto, a primavera e o amor























Diariamente, saio para caminhar pouco antes das seis da manhã.
Hoje, como não o fazia há algum tempo, levei o Alberto.

Não havia nenhum motivo consciente para não o haver levado comigo nos últimos passeios. Apenas não o levara. Sem motivo. Esquecimento, quem sabe. Mas hoje lembrei.

E fomos caminhando e conversando e, conversando,
aproveitei para procurar entender um pouquinho mais a respeito daquele personagem complexo, que tinha a natureza por limite.

Todos sabem que o Alberto afirma aos quatro ventos
que ele não pensa. Que seus pensamentos são o seu tato, sua visão, sua audição, seu paladar ou alguma coisa assim.

Pois foi sobre isso, que durante nossa caminhada, perguntei:

- Amigo, como é essa coisa de não pensar?
Outro dia mesmo, você não chegou a cavalo a Santorini?  - lembrei - E não teve que planejar a viagem? Não teve que pensar, para que pudesse conseguir concretizar seu intento de ir atpe lá e me encontrar?

Alberto, que hoje estava especialmente falador, iniciou pacientemente:

"- Essa questão, meu bom Gilberto, na verdade não é o único que a fazes. 

De verdade mesmo,
(E falo dessa verdade cristalina de que os dias ensolarados são testemunhas)
Apenas uma Pessoa nessa nossa Terra a não fez.
E a não fez porque já o sabia.

Nessa mesma verdade que o sol ilumina todos os dias 
Está a razão de eu não pensar.
Porque as cousas são o que são,
As cousas são como as vemos quando o sol as ilumina
E não como queremos que sejam.

O essencial é saber ver e ouvir e sentir,
Saber ver e ouvir e sentir, quando se vê, se ouve e se sente.
Saber ver e ouvir e sentir sem estar a pensar
E saber pensar sem estar a ver e ouvir e sentir.

O essencial é saber pensar quando é preciso pensar
O essencial é saber pensar quando se precisa arrear um cavalo
Para o fazer direito.

Mas não pensar sobre o vento que se nos acaricia a face
Quando galopamos,
Porque a brisa é apenas a brisa
E as cousas são o que são
E não há por quê e nem para quê.

Vês esse arbusta de primavera por que passamos?
[passávamos por uma primavera naquele momento]
Por que a vês e ela é bela?
Ora!
A vês e ela é bela
Porque é assim que as cousas da natureza são, quando as vês.
A sua beleza está em ali estarem
E em todas as cores que têm
E em todos os perfumes.

Para que ver e sentir e criar uma filosofia?
Para que pensar se as primaveras têm flores rosas e não azuis?
Para que inventar causas
E consequências?

Ora! Queres imaginar que as primaveras te apareceram à frente
Tingidas de rosa e não de azul
Porque estás apaixonado?

Queres imaginar que os galhos da primavera
Não são galhos de primavera
Mas são os tentáculos de um amor
Doce e róseo
A te procurar?

Queres ainda pensar
Que o universo te está a dar sinais?

Tolice.
A imaginação e a filosofia sobre o que não é mais do que é,
São essas tolices em que não penso."

E assim, pensando eu, sobre tudo aquilo em que o Alberto não pensava,
mas me dissera, acreditei, sem acreditar,
que eu estava entendendo mais um pouquinho daquele personagem complexo
mas que cabia no meu bolso.

E assim, fazendo uma espécie de heteropsicografia, acreditei, acreditando,
que mesmo quando fruto de um desvario de outro poeta,
todo poeta é um fingidor.

Gilberto de Almeida
07/12/2012

4 comentários:

  1. Gosto muito do Alberto!
    Tem uma maneira de ver e sentir que me inspira.
    Como sempre, ele me faz viajar... em pensamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alberto está se tornando o queridinho dos meus leitores. Minha filha o adora. Muitos gostam dele! Um dia ainda vou compreender isso!

      Excluir
  2. Estamos a poucos Dias do Natal
    agradeço seu carinho no decorrer de mais um ano ,
    que esta chegando ao Fim.
    Só tenho que agradecer a Deus por sua amizade,
    agradecer acima de tudo Deus por ter preservado
    minha vida por mais um ano.
    Em meio a tantos obstáculos passando
    por cada um deles movida pela fé e esperança de Dias melhores.
    E para encerrar o Ano com chave de ouro coloquei
    mais um livro em sorteio no meu blog.
    Para participar basta ser seguidor colocar o selinho de participação que esta na postagem do meu blog
    manter seu blog atualizado pelo menos 8 dias no Dia do sorteio.
    Conto com sua participação.
    Uma abençoado final de semana beijos no coração,Evanir..
    Mesmo sendo de outro Pais todos terão o direito de participar,
    pois todos são amizades que respeito e amo de coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho, Evanir. A Deus tudo se deve. Vou, aos pouquinhos, conhecendo os blogues dos amigos que passam por aqui. Ótimo fim de semana, natal e ano novo para você!

      Excluir