Pesquisar neste blog

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Proclamação aos surdos


















Quisera proclamar a plenos brados
aquela realidade reticente,
dorida e bem guardada por cuidados...
Porém proclamaria inutilmente!

Inútil proclamar que, empacotados,
venenos aos milhares matam gente:
- toxinas, cancerígenos alados,
destroem sempre: o gozo é aparente!

Tolice! Não importa o que eu reporte
à alma desditosa e dividida
que vive na ilusão (sente-se forte!),

se o tabagista - incauto suicida
- enquanto, prazeroso, traga a morte,
deliberadamente estraga a vida!

Gilberto de Almeida
26/06/2014


quarta-feira, 25 de junho de 2014

Haicai e flores - XXXVIII


A brisa descerra
bonita cena, e então grita:
- Manacá da Serra!

Gilberto de Almeida
25/06/2014



segunda-feira, 23 de junho de 2014

Brasil e Camarões

Havia algo de supra-sensorial no confronto entre Brasil e Camarões;
era o continente sul-americano
compartilhando o campo com suas raízes africanas,
na festividade do esporte
reparando a história.

A fraternidade abria as portas ao ofendido
 na capital do ofensor.

Oportunidade única.

Diante das luzes do planeta
poderia desfilar,
de parte a parte,
o jogo limpo,
o exemplo da dignidade, 
de lisura.

Mas assim não foi.
Assim não merecemos
e assim não percebemos
porque ainda estamos habituados à agressão.

A arena,
o gládio
e a bola

a que chamamos futebol.

Eis tudo.

Gilberto de Almeida
23/06/2014


Na copa

À Cata
do que te
ocultam,
escuto
que é o custo...

Aceito?

Gilberto de Almeida
23/06/2014


domingo, 22 de junho de 2014

O Gol


Gilberto de Almeida
22/06/2014



quarta-feira, 18 de junho de 2014

Brasil e México

São Paulo parou
ao meio dia,
aguardando o Brasil
às dezesseis.

Fizemos um congestionamento
digno de orgulho!

Mais uma vez,
no eterno momento
de barulho,

São Paulo parou:

- nada se movia
para assistir ao Brasil,
na ânsia do gol...

...que ninguém viu!

Gilberto de Almeida
18/06/2014


terça-feira, 17 de junho de 2014

Dois tempos

I

Naquele dia ele acordou
de escanteio;

dirigiu
pela lateral;

chegou atrasado.

Quis bater o cartão,
amarelo.

Mas foi impedido.

Reclamou com o Juiz:
- Não houve falta!

Ficou vermelho.

Regressou contrafeito.

Pensou na esposa,
mas foi expulso.

II

No outro dia
entrou em campo
mais decidido.

Foi de bicicleta.

Encobriu a barreira,
aproximou-se da meta.

Foi aplaudido.

Regressou satisfeito.

Pensou na esposa.
Conseguiu o cruzamento.

Gilberto de Almeida
17/06/2014



Brasil e Croácia

Sob certo prisma,
tem sido interessante

ter como únicas considerações no mundo
aquelas que dizem respeito
ao gol contra,
à marcação do pênalti,
à punição dada ao craque 
       pela cotovelada no adversário...

Por algum tempo
tem sido interessante...

Sob certo prisma.

Gilberto de Almeida
17/06/2014


sexta-feira, 13 de junho de 2014

Duas copas

A Copa.
Há a Copa,
sei disso.

A alegria - astuto isso!
E o circo augusto decanta as vidas.

Encanto: a pátria de verde e amarelo
entre o escudo estrelado - parte do uniforme destemido, 
quiçá o talento obstinado e a força da arte - e a manhã
em que a estrada naturalmente descer a serra,
à gente pobre (sal, vão à pé!), à letra em todos nós.

E tudo isso ocorre.

E tudo isso! Corre!

Enquanto os párias - dever de amar? - elo
entre o escudo - a estrela do partido uniforme, deste mito 
que salta lento e obstinado e à força da artimanha
enquistada na dura mente de seus asseclas - 
e a gente pobre, salvam a pele e traem a todos nós.

A alergia de tudo isso:
- o circo a custo de quantas vidas?

A copa.
Ah! ... a copa...
Sai dessa!

Gilberto de Almeida
13/06/2014



sexta-feira, 6 de junho de 2014

Poema com Gabaritos - XI


Gilberto de Almeida
06/06/2014



Inundação


Quando nos permitimos inundar
pelo amor de Deus,
ele transborda....

Gilberto de Almeida
06/06/2014