Pesquisar neste blog

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Aprendizado











A vida na cidade, como um turbilhão
no fluxo caudaloso de uma corredeira
nos testa, nos arrasta, suga e dá canseira,
afoga, leva ao fundo e nos tira a razão.

A nossa estranha trilha, com sofreguidão,
avança turbulenta pela ribanceira
prossegue sem resposta nossa vida inteira
e acaba em queda d'água, em interrogação!

Porém, talvez o torvelinho da existência
nos sirva apenas como breve aprendizado
da vida amena e tão gentil por excelência;

talvez a queda d'água não sugira "adeus";
talvez nos abra os olhos para este legado
que a natureza traz, sereno, e que é de Deus! 

Gilberto de Almeida
18/07/2012

Este poema participou do projeto "Aquele Poema". Clique aqui e veja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário