Pesquisar neste blog

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Soneto de amor em duas oitavas (homenagem ao dia do músico)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
cil foi que ele engatara
, para lhe dar passagem.
Mi ra a moça como rara
bula de amor. Miragem!
 
Sol a a porta e então dispara...
se vai, mas e a coragem?
Si lencia, fecha a cara...
! Que dó! Não interagem.
 
deas há, mas, arredia,
Mi gra a alma ao peito agora.
cil é! Mas quem diria?
 
Sol ta o verbo e enfim lhe implora!
,,,
bios tocam melodia!
Si nos cantam nessa hora!
 
Gilberto de Almeida
22/11/2012
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário