Pesquisar neste blog

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Ressurecto

(Cláudio R. Braga)

Como fígado,
adoeço e vivo.
Recupero-me.

Como fígado,
indigesto.

Regurgito.

Ressurjo.
Fênix!
Fígado.

Sempre Fígado.


2 comentários:

  1. Uma analogia perfeita na poesia.
    Parabens.
    Meu abraço Gilberto.

    ResponderExcluir
  2. Abraço, Toninho! Prazer em vê-lo por aqui!

    ResponderExcluir