Pesquisar neste blog

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Essa montanha


(Mariana Nagano)

Desesperada,
cheguei ao cume
dessa montanha
que é o meu ciúme!

E na escalada,
a imensa dor 
que então me arranha
os fracos dedos
vê meu amor
quando escorrega
por entre os medos!

Mas não sou cega;
mirando abaixo,
distante vejo
pequeno faixo:

e a luz me invade
- felicidade
de um doce beijo!

Mas na descida
rumando à morte
(não sei seus planos!)
ele me diz
para ser forte,
quiçá feliz,
porque esta vida
é só de enganos!

Enganos? Quais?
Pergunto, aflita!

Ele se agita
e vai dizer...
- não pode mais,
pois vai morrer!

Mas não morreu:
- um forte ramo,
logo o sustenta!

E já que vive
lá no declive,
tenta dizer:
- que desatenta!
Não percebeu?
o engano é o teu,
porque eu te amo...

E então, ferida,
respondo: - amém...
Mas não me escuta,
perdeu a luta;
triste partida:
- não mais, ninguém!

Que vida estranha:
- Nada se ganha!

Cheguei ao cume
dessa montanha
que é o meu ciúme!


Nenhum comentário:

Postar um comentário