Pesquisar neste blog

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Querer


Querer, sempre querer... Eis onde estamos:
- perdidos nos caminhos do deserto
hostil, que vãos desejos vêm - por certo!
- impor, quais inclementes, rudes amos.

Querer, sempre querer! Mas convenhamos:
- deter, possuir, reter é um desacerto
que um dia a vida põe a descoberto
à luz da consciência... e nos curvamos!

E logo percebemos, mais adiante,
que o mundo do querer é uma ribalta,
sinistra pantomima inebriante;

e livre da ilusão, nossa alma incauta
percebe - finalmente! - num rompante
que a quem querer não quer, nem isso falta...

Gilberto de Almeida
25/07/2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário