Pesquisar neste blog

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Abandono da Alma


Há muito, muito tempo foi-se embora
alguém que sempre andava junto a mim.
Sem pressa, sem aviso, foi assim
que mesmo sem querer botei prá fora

alguém que me faz falta ainda agora,
alma parceira, afável, alma afim.
A ausência que causou e causa, enfim,
a angústia que em silêncio me devora

a voz que anima, a calma que tempera
a força, o acreditar apaixonado,
e um otimismo tal que, quem me dera,

pudesse estar com ele ainda aqui;
mas é passado: eu sei que o “eu” que eu era
se foi: "eu" que eu o procuro por aí.

Gilberto de Almeida
12/04/2012


Nenhum comentário:

Postar um comentário