Pesquisar neste blog

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Soneto sem controle

Qualquer controle, amigo, é uma Ilusão:
é superestimar o que tu és,
é crer que tens deitado junto aos pés
aquilo que sequer te alcança a mão.

Ou pensas tu que a mínima ascensão
na vida tens? ou que andas num convés
que não balança, livre de um revés,
se é outro que conduz a embarcação?

Pois veja este soneto controlado
o verso heróico, simples, nada ousado.
Mas, por mostrar-te o quanto não é teu

eu o darei de almoço para enguias!
Ou tu pensaste que o controlarias
Se quem o fiz fui eu!

------------------------------------------------------------------------------

Pois sim, então mandei o verso heroico para o além
porque esses versos afinal são meus!
E, assim, quem te garante que podes controlar algo ou alguém
se as coisas e as pessoas não são tuas, são de Deus?

Gilberto de Almeida
22/06/2012


Um comentário:



  1. Realmente ninguem é de ninguem, somos todos de Deus.Fico sem palavras para exprimir meu encanto com a sua obra. Beijos controlados pela ternura da amizade.
    sisoyyo.

    ResponderExcluir