Pesquisar neste blog

sábado, 24 de novembro de 2012

A vida ao Deus Tabaco

Que agora vou pagar para morrer
é fato, porém todos morrerão!
Bem sei, mas a questão não é o saber:
sou débil! E a fraqueza, essa é a questão!
Eu sei que nos refolhos do meu ser
o câncer e as doenças surgirão!
Não quero, mas não basta o não-querer;
Passivo, dou-te a vida, oh!, alcatrão!
Sou tolo, irresponsável, suicida,
sou louco, inconsequente, esquivo e fraco.
Mas que fazer? Entrego a minha vida
não a quem amo; dou-lha ao Deus Tabaco!
E se me mato aos poucos, delinquente,
se desisti de mim, que ninguém tente!
Gilberto de Almeida
24/11/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário